Crítica | The Titan (2018): por que a ficção científica precisa sofrer tanto?

Ao longo das décadas, a ficção científica sofreu com a pouca variedade de obras para o cinema, na sua maioria de qualidade questionável. Recentemente, a Netflix mostrou-se interessada em reverter esse quadro ao desenvolver diversas produções desse gênero, aumentando consideravelmente as opções para os fãs. Contudo, mesmo buscando explorar esta categoria das mais diversas formas, é consenso que boa parte desses novos longas estão um pouco (ou muito) aquém das expectativas do público. “The Titan” é mais um exemplar dessa lista amarga, sofrendo principalmente com seu roteiro esburacado e totalmente mal aproveitado.
A trama se passa em uma Terra sentenciada ao apocalipse, onde cientistas buscam uma forma de colonizar outro corpo celeste (nada de novo por aqui) para manter a continuidade da nossa espécie – neste caso, a lua de Saturno, Titã. Para conseguirem sobreviver à atmosfera hostil do lugar, um grupo de militares voluntários serão treinados pela equipe liderada pelo professor Martin Collingwood (Tom Wilkinson, “Snowden: Herói ou Traidor”), e sofrerão uma série de alterações biológicas durante o processo de preparação para a viagem.
A premissa traz uma abordagem interessante quanto ao tema relativamente batido da colonização espacial. Aliar a necessidade de sair de um planeta condenado ao desejo megalomaníaco de Leia a notícia completa

Fechar Menu

Fique por dentro!

Receba nossas novidades direto no seu email!
QUERO RECEBER!
Fechar
Fique por dentro!