Ancine libera mais dinheiro para produção de cinema no Brasil

Os cobiçados recursos do Fundo Setorial do Audiovisual passarão a ser liberados com mais rapidez e com um teto maior. A simplificação do sistema de análise dos projetos será anunciada hoje pela Agência Nacional de Cinema, junto com R$ 471 milhões para seis linhas de financiamento para cinema (produção e distribuição) e TV.
A desburocratização do FSA, que faz dez anos como o principal meio de financiamento público do cinema brasileiro, e sua adequação à realidade do mercado vêm para dar mais fôlego à captação de recursos dentro e fora do País, e permitir que os orçamentos cheguem a patamares internacionais.
Um filme de investimento médio, caso do preferido do público em 2017, Minha Mãe É Uma Peça 2, atualmente custa R$ 6,5 milhões; com as mudanças, este valor poderá chegar a R$ 50 milhões, estima o presidente da Ancine, Christian Oliveira.
Ele quer baixar o tempo de resposta a menos da metade, atendendo a demandas de realizadores tanto dos filmes mais comerciais, candidatos a blockbuster, e que disputem espectador com os estrangeiros, quanto daqueles de maior ambição artística e menor bilheteria, mas que se destaquem em festivais prestigiosos mundo afora.
O limite de R$ 3 milhões, no primeiro caso, passa para R$ 6 Leia a notícia completa

Fechar Menu

Fique por dentro!

Receba nossas novidades direto no seu email!
QUERO RECEBER!
Fechar
Fique por dentro!